quarta-feira, 15 de abril de 2020

De onde vem a força



Vi ontem um comentário no Instagram do Bispo em que uma moça chamada Tatiana pedia ajuda. Ela foi diagnosticada com câncer e o médico a desenganou. Com medo e desanimada, ela pede ajuda, diz que acredita que Deus pode curá-la, mas está sem forças para lutar. Eu ainda estou na luta por minha cura, mas vi o poder de Deus tantas vezes nessa caminhada da fé que não deu para não responder. Já ouvi o médico desenganar meu esposo, que estava internado na UTI com infecção generalizada por uma peritonite após uma obstrução intestinal e periapendicite. Ele estava desnutrido, anêmico e imunossuprimido. Pela medicina, não tinha chance. No hospital, eu era a louca que cria. O pessoal me olhava com pena. E hoje, quase 15 anos depois, o lindão está aqui em casa, vivíssimo. Eu sei em Quem eu creio e não tem como não falar.

E, aproveitando o que chamo de “milagre da noite” (ultimamente começo a me sentir melhor perto da hora de dormir rs), resolvi responder. Ficou enorme (para um comentário de Instagram, para um post é pequeno) e, além de colocar lá, achei que deveria publicar aqui. Pode ser que ajude alguém:

Jesus disse para Jairo, no momento em que ele recebeu a notícia da morte da filha: “não temas, crê somente”. Porque Jairo obedeceu, viu Jesus ressuscitar sua filha. Ele trouxe a menina da morte! Nem hoje a medicina sabe fazer isso, mas Deus sabe. Assim como Jairo, você tem uma decisão a tomar: ou crê que vai morrer (palavra do médico), ou crê que será curada (Palavra de Deus). Nenhuma das duas coisas aconteceu ainda e você pode escolher em qual irá colocar a sua certeza (sua fé).

Não tenha medo, a força para lutar vai vir da sua fé, que Deus vai fortalecer conforme você buscar (Ele está contigo!). Acompanhe as mensagens de fé e coloque em prática o que aprender. Enxergue a Palavra de Deus como o que ela é: verdade irrefutável. É impossível não se cumprir! E vou te dizer: a medicina não sabe nada, entende muito menos do que a gente pensa. Já vi muita gente curada de câncer nas reuniões de terça com o @pastorgrando. Acompanhe essas reuniões. 

Além de terça, não perco as de quarta, sexta e domingo. Também estou na luta por minha saúde, contra uma doença rara e para a qual a medicina não conhece a cura. No passado eu já fui curada de depressão e de outros problemas e te asseguro: ao entrar no Reino de Deus, você está entrando num mundo em que TUDO é possível. É o que diz a Palavra dEle. É isso que me dá forças para lutar e vencer. Sempre que vier um pensamento de medo ou de morte, não acredite nele. Rejeite. E lembre-se de que você escolheu crer.

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Todo mundo consegue perseverar



Domingo assistimos à reunião das 9h30 do Templo de Salomão, com o Bp Renato Cardoso, pelo canal 21. Ele falou sobre a diferença entre a fé emotiva e a fé comprometida com a Palavra de Deus. A fé emotiva não sustenta nas situações difíceis. A pessoa cuja fé é emotiva se desespera, fica ansiosa, com medo, muda seu comportamento para pior. Já a pessoa cuja fé é comprometida permanece firme, não depende das circunstâncias, porque ela decide permanecer firme. É mesmo uma decisão racional.

Anotei uma frase do Bispo: “Quanto pior a situação, mais firme (a pessoa que tem a fé comprometida) está com Deus. Podem fechar a porta da igreja, mas não podem roubar a fé dessa pessoa”. Ter uma fé assim foi uma decisão que tomei e que continuo tomando diariamente, porque eu quis ser essa pessoa que permanece firme em qualquer circunstância (e estou provando isso aqui no vale da sombra da morte). E, incrivelmente, isso era algo que eu fazia em algumas áreas da minha vida secular, mas não sabia aplicar à minha fé.

Para você ter uma ideia do uso inútil da capacidade de convicção, ou do desperdício de perseverança, eu sustentava uma argumentação por horas, só para ganhar a discussão. Gastava minha energia sendo teimosa com as pessoas ou insistindo em situações e comportamentos que só me faziam mal. Mas desistia de quase tudo o que era bom para mim (problema espiritual detected). Ou seja, eu sabia insistir e sabia desistir, só não sabia a hora certa de fazer essas coisas.

Todo mundo sabe insistir. Todo mundo consegue perseverar. Durante a depressão, chorar todas as madrugadas pensando que ninguém me entendia e que a vida era só dor e desespero exigia de mim uma perseverança violenta. Hoje, só de pensar em passar horas me torturando com pensamentos negativos, eu já fico com preguiça, mas dos 17 até o mês em que fiz 20 anos, esse foi meu roteiro de quase todas as madrugadas.

Escrevia no diário ou em algum caderno (tenho eles até hoje), falava do meu dia e das minhas dores da alma e escrevia uma poesia horrorosa qualquer falando de solidão e vazio (tenho uma pasta cheia dessas poesias). Depois ficava pensando (conversando com gremlins) por HORAS, até o dia nascer. Chorava tanto que a dor chegava a ser física, um desespero que parecia que eu ia morrer. Você não tem ideia (ou talvez tenha) do esforço que uma pessoa precisa fazer para se manter nesse estado. É um treinamento de horror. Você não pode simplesmente dizer: “não posso pensar nisso agora, vou dormir porque amanhã cedo tenho aula”. Você se força a entrar no moedor de carne mental e fica lá girando a manivela da autocomiseração, da desesperança, da raiva, do desespero.

Dá trabalho e exige perseverança e foco. Por que raios eu nunca pensei em direcionar toda essa energia para a busca por Deus? Para a convicção de que o que a Bíblia diz é a verdade que poderia mudar a minha vida? Porque eu achava que já tinha encontrado. No alto da minha arrogância adolescente, eu achava que já tinha as respostas, ainda que as disfarçasse em forma de dúvida. Está mais perto da saída quem reconhece que está preso e que não consegue sair sozinho.

Mas mesmo depois que saí desse buraco, me enfiei na acomodação religiosa e não coloquei toda a minha energia em me entregar a Deus. Ele tirou minha depressão, consegui remendar meu interior, mas continuei com a velha vida. Continuava sendo a mesma Vanessa, só menos negativa. A mudança total, mesmo, foi rápida, mas antes disso levei dez anos para perceber que precisava mudar. Que precisava morrer. E é isso o que significa se entregar: morrer no Altar. Não me importava mais o que me aconteceria no futuro, estava pouco me importando com o passado ou o presente, o que eu queria, gostava ou planejava, coloquei tudo no Altar. Deus poderia fazer o que quisesse com aquilo, com a minha vida. Eu decidi não existir mais. Morrer para este mundo e para mim mesma. E que Ele me ensinasse tudo de novo e me reconstruísse. Que Ele me fizesse do zero. Foi assim que eu nasci aos 29 anos.

Mas ninguém nasce sabendo andar, pular e correr. Isso quem traz é o crescimento. E tudo o que me aconteceu nos últimos dez anos serviu para fortalecer minha fé e me ensinar a usar minha perseverança a meu favor. Manejar a arma que eu já tinha, afiando minha espada e treinando para que esteja pronta sempre que eu precisar. Não sou forte, guerreira e resistente. Eu sou fraca, cheia de defeitos, naturalmente propensa a desistir e a desanimar — como a esmagadora maioria das pessoas. O que me faz forte (e realmente me faz, porque se permaneço assim, não sou arrastada pela fraqueza) é manter o exercício da fé comprometida. É empregar diariamente a minha energia e o meu foco no fortalecimento do meu espírito, na convicção de que Deus está comigo, de que Ele é bom e que tudo aquilo que prometeu se cumprirá. 

E para conseguir manter esse exercício, é absolutamente necessário ter cuidado com aquilo que entra pelos meus ouvidos e pelos meus olhos. E com o que se passa entre as minhas orelhas também. A essa altura do meu campeonato, não faço mais queda de braço com os meus pensamentos. Dentro de mim hoje tenho uma Força que me faz ser maior do que eles. Aí a gente enfrenta qualquer coisa. Passa pelo meio de qualquer tempestade, de qualquer vendaval. A vida vira de cabeça para baixo e você permanece em pé. O futuro se torna um borrão indefinido e você continua confiante. Agora você faz parte desse povo doido que não está nem aí para o que vê, ouve ou sente. Esse povo doido que simplesmente SABE em Quem tem crido e que, conforme mantém essa confiança, começa a ver o impossível acontecer. E eu já perdi a conta de quantas vezes vi o impossível. E temos uma Fonte infinita de impossíveis. Independentemente de qualquer dificuldade que venhamos a enfrentar, esta é uma vida que vale a pena viver.

.


.


.
PS. Hoje é o segundo dia do Jejum de Daniel e eu fiquei sabendo que o governador de São Paulo prolongou a quarentena até o dia 22/04...eu não disse que a gente acaba sabendo das coisas que precisa saber, mesmo não indo atrás das notícias?

sábado, 4 de abril de 2020

Jejum de Daniel no momento mais necessário


Hoje, na videoconferência do Congresso Renovação, a reunião que a Universal faz com pastores e líderes de outras denominações cristãs, o Bispo Macedo sugeriu que todos abrissem um Jejum de Daniel durante o período da pandemia.

No momento em que a mídia está com a coleira da percepção popular na mão, sugerir isso parece loucura. A intenção do Bispo não é afrontar ao sistema, mas a de Deus talvez seja. Desconectar o povo dEle dessa insanidade e nos manter ligado ao que realmente importa. O que tínhamos de saber sobre como evitar o coronavírus nós já sabemos. Se precisarmos saber de alguma outra coisa absolutamente necessária, pode ter certeza de que não faltará quem nos informe. Todo mundo que já fez jejum de Daniel sabe como funciona. É praticamente impossível ficar sem saber de algo realmente importante. O resto, as infinitas suítes dos veículos de comunicação que descobriram no coronavírus a mina de ouro do aumento da audiência, não nos acrescentam em nada e dispenso, sem cerimônia.

Para quem não sabe, o Jejum de Daniel é um jejum de entretenimento e informações seculares. Com base no texto bíblico em que Daniel diz não ter comido manjar desejável por 21 dias para buscar entendimento de certa visão que Deus lhe havia dado, nos abstemos por 21 dias do “manjar desejável” de entretenimento e conteúdo secular, e usamos esse tempo para ler mais a Bíblia, orar mais e pensar mais nas coisas de Deus, buscando o entendimento espiritual, o desenvolvimento da nossa fé e o Espírito Santo, que nos dá a verdadeira sabedoria. É um período maravilhoso em que nos fortalecemos e crescemos muito.

Nesse período de pandemia, não podemos sair de nossas casas, não podemos trabalhar, não podemos viver normalmente, não podemos abraçar, não podemos receber visitas, mas podemos escolher a qual voz daremos ouvidos e qual tipo de conteúdo alimentará nossa mente. Eu já tinha decidido deixar de ser escrava das notícias e estava olhando uma vez por semana em vez de várias vezes por dia.

O Jejum de Daniel é a maior afronta ao sistema invisível que rege este mundo. Quando poderíamos imaginar viver uma época em que a coisa mais subversiva que alguém pode fazer é se desligar das informações seculares?

“Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”

1 Coríntios 2.14

E que nos achem malucos! E que não nos entendam! E que nos critiquem, nos chamem de alienados, de ignorantes, como se o que eles fazem estivesse resolvendo alguma coisa. Como se eles fossem algum tipo de exemplo ou soubessem o que estão fazendo. Não são. Não sabem.

Por outro lado, não duvido que muita gente de outras denominações (e até quem nem tem religião) se interesse pela ideia de fazer um jejum de informações nesse período, usando o tempo para algo mais produtivo e emocionalmente mais construtivo. Porque as pessoas já estão exaustas de notícias que nada lhes acrescentam e que ninguém pode fazer nada para mudar. E estão mais cansadas ainda dos oportunistas que se aproveitam de uma tragédia para tentar se promover ou derrubar adversários. Ou, como grande parte dos veículos de comunicação, para aumentar a relevância de seus produtos e elevar o valor de seus espaços publicitários.

Para quem não acha que consegue ou está tão viciado nas notícias de hora em hora que não quer se desligar delas, eu sugeriria reduzir a quantidade de notícias que consome, como eu estava fazendo. Olhe uma vez por semana, selecionando só o que for realmente relevante e dando preferência aos portais de notícia, porque no texto escrito a gente consegue pegar apenas os dados, com mais facilidade. No texto de TV, o componente emocional junta dados e interpretações em um formato difícil de filtrar. Em outros momentos, procure conteúdos que façam bem ao seu espírito. E, por favor, mantenha distância de redes sociais tóxicas. Não olhe o feed. Entre direto no seu perfil e escolha o que irá ver indo diretamente nos perfis e páginas que quiser. Tome de volta o controle do seu tempo e da sua mente. Garanto que já perceberá grande diferença nos seus dias e na sua disposição física e mental.

Uma coisa eu digo, e anote aí: todo mundo agora está bebendo da negatividade e do desespero da mídia, se consumindo em ansiedade, desesperança, medo e estresse. Se o povo de Deus se afastar dessa insanidade e aproveitar o período de isolamento para se aproximar mais dEle, fortalecer a fé, orar mais, jejuar mais, estreitar mais o relacionamento com Deus, pode ter certeza que, ao final desse processo, esse povo estará suficientemente forte para reconstruir este país. Nós seremos as poucas pessoas a sair desse caos emocionalmente melhores do que entramos.




.
.
PS. Cá entre nós: obviamente, todos nós sabíamos que, mais cedo ou mais tarde, isso iria acontecer. Se você é como eu, possivelmente já estava fazendo Jejum de Daniel por conta própria. Acho que foi o Vinicius que colocou um comentário sobre isso aqui dia desses, dizendo que a vida dele tem sido um grande Jejum de Daniel. Olhaí, meu amigo, você já estava no espírito hahaha.

PS2. Eu estou há dias para responder ao Vinícius: "você não está só", mas é claro que minha versão dessa resposta seria um texto de dez mil caracteres que não consegui fazer rs. Creio que este Jejum de Daniel consertará isso também. :D

PS3. É claro que este blog não vai ficar de fora. Vou colocar aqui as minhas anotações do dia, sobre o que eu aprender durante este período. Podem vir!