segunda-feira, 9 de março de 2020

Por que Deus permitiu isso?


Recebo muitas mensagens, mas não tenho conseguido responder individualmente. Então, sempre que puder, vou trazer alguns assuntos dessas mensagens para o blog, desde que sejam coisas que possam ajudar outras pessoas. 

A pessoa escreve dizendo que estou melhor porque acha que eu era mais intensa e agressiva antes (em um bom sentido, aparentemente), acha que agora estou mais calma, e se pergunta se Deus me permitiu ficar doente para ficar mais "serena" rs. Talvez para me ensinar a ser mais "tranquila" ou algo assim. O que ela entende como "mais serena" é, na verdade, falta de energia. Não estou escrevendo no mesmo ritmo, então o tom muda, mas minha personalidade é a mesma (intensa, espontânea, introvertida comunicativa, esquisita, do contra, fora dos padrões). 

Entendo que as pessoas queiram encontrar um porquê. "Pôxa, mas ela é tão de Deus, por que Ele permitiu isso?" A questão nem é o porquê de eu ter ficado tão doente (dica: Deus não só não tem nada com isso como também tentou evitar, eu é que preferi seguir meu ex-cardiologista, que foi o que me deixou pior. Se você passar anos tomando pouca água e parar de se exercitar, vai ficar doente. Se nasceu com Ehlers-Danlos e fizer isso, vai ter disautonomia), mas o principal nesse comentário, para mim, é a falta de consciência de quem Deus, de fato, é. Não entender direito quem eu sou é normal, porque, afinal de contas, até hoje talvez eu tenha dado pouca informação a meu respeito. Mas se você está buscando a Deus, precisa procurar entender melhor como Ele é.

Deus não coloca doença em ninguém. Eu nasci com um problema (com vários, aliás), mas nem isso foi culpa dele. Deus não faz pessoas. Ele fez o primeiro casal e deu a ele capacidade reprodutiva. Desde então, o único outro corpo humano feito diretamente por Deus foi o de Jesus. Ele não tem a menor responsabilidade sobre as mutações que causaram o meu problema e os problemas de tantas outras pessoas neste mundo, que desde a má escolha do primeiro casal não está mais sob a direção dEle. 

Eu disse, em outro post, que tenho aprendido muita coisa nesse período de doença. No entanto, isso não significa que Ele tenha permitido que eu ficasse doente "para me moldar". Deus não faz isso. Um pai jamais deixaria um filho ficar doente para ensiná-lo o que quer que seja. Doença tem duas fontes: uma, é a fonte natural. Temos um corpo e, depois que o pecado entrou no mundo, tudo foi corrompido. Certamente Adão e Eva eram geneticamente perfeitos. Depois, começaram a ocorrer mutações, que nada mais são do que erros no código. Esse corpo pós-Éden é frágil e o mundo pós-Éden tem vírus e bactérias patogênicas, entre outras ameaças. Coisas naturais podem acontecer e causar problemas no caminho. Erros no código, negligência com o próprio corpo, acidentes e uma série de coisas podem dar errado sem que seja culpa de ninguém sobrenatural. Muitas vezes as doenças naturais são causadas por uma conjunção de fatores. A pessoa já tem uma predisposição e acaba fazendo alguma coisa que desperta o problema, por exemplo.

A segunda fonte de doenças é a espiritual, o que a gente chama de "demônio". Esses seres existem e têm o poder de manipular os recursos naturais para causar doenças. Eles causam doenças e eles também se aproveitam de doenças que não foram eles que causaram, porque precisam usar o momento de fragilidade das pessoas para tentar derrubá-las. 

Só isso. Deus não coloca doença em ninguém. Deus não precisa de uma doença para me ensinar coisa nenhuma. Não precisa de doença para mudar ninguém. O fato de eu estar aprendendo coisas é porque estou buscando mais. Deus está sempre pronto para nos ajudar e nos ensinar, mas se a gente não parar para ouvir, vai perder a oportunidade de aprender. Ele não vai gritar. Ele não vai nos dar rasteira para a gente parar e ouvir. Ele não vai aproveitar a rasteira de terceiros para nos fazer ouvir. Quem for inteligente, vai correr até Ele e ouvir o que Ele tem a dizer, mas quem não for, vai continuar do mesmo jeito. Ou ficar pior.

E a gente tem que cuidar para não ficar colocando em Deus a culpa pelas coisas ruins que acontecem ou tentar achar uma forma de nos justificar atribuindo a Deus coisas que não são dEle. São dois extremos que devem ser evitados: o primeiro, ficar achando que tudo é culpa nossa, que a gente fez alguma coisa errada, etc. O segundo, achar que não tem nada errado na gente e que Deus é que está fazendo isso ou que somos vítimas indefesas. Lembre-se: doença ou tem origem natural ou é colocada pelo diabo. Deus não tem nada com isso. A gente também não costuma ter nada com isso (a menos que tenha sido por negligência). A partir daí, nós temos que cuidar nossas reações para fazer boas escolhas e tirar o melhor possível da situação adversa. E, unido com Deus, continuar lutando para resolver o problema. Não é porque a causa é natural que vou aceitar e me entregar à situação.

Quando uma doença aparece, você precisa saber que o diabo vai tentar se aproveitar da sua fragilidade para atacar. Então, é preciso se fortalecer. Nessa hora é que você vai começar a perceber que existem pontos de fragilidade na sua fé. Temos que ter humildade para correr até Deus e entender o que precisamos melhorar, sacrificar, ajustar e mudar, em vez de perder tempo tentando entender os porquês. Não é hora de porquês. Se você buscar mais a Deus, cedo ou tarde vai entender tudo. Não importa se você tem algum título ou há quantos séculos está na igreja. Se está passando por um problema, precisa buscar como uma pessoa que está passando por problema, não como o detentor de toda a santidade e que não sabe onde errou para receber tal punição. Deus não está punindo. Deixa de frescura e vá buscar mais. E isso vale para qualquer problema, creio eu. Deixa de frescura e vá buscar. Faça algo útil com o que o diabo queria usar para te enfraquecer. 





.


PS. A colagem na imagem de abertura mostra a hipermobilidade característica do Ehlers-Danlos, que é uma mutação do colágeno. Esse problema tem nos dois lados da minha família e veio porque papai e mamãe resolveram fazer coisinha que faz bebê e fizeram um mutantezinho. Deus não teve nada com isso. (Ehlers-Danlos gera uma fragilidade que predispõe à disautonomia, que é o que eu chamo de "doença": um conjunto sintomas incapacitantes como falta de energia, brain fog, ataxia, pressão baixa, etc.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário