domingo, 29 de setembro de 2019

Estou chocada!

Não morri! 😀

Depois escrevo mais a respeito da vigília de ontem, com mais detalhes, não tive condições físicas de escrever durante o dia (começo a melhorar no início da noite, quando já tenho que me preparar para dormir rs). Até fiz algumas anotações, mas não deu para juntá-las em um troço coerente. Passei o dia me recuperando, não deu para levantar muito, foi meio cansativo, mas nada muito diferente de todos os dias. E infinitamente melhor do que das últimas vezes em que fiquei acordada a madrugada toda. Tanto eu quanto o Davison (Sr. Lampert) ficamos impressionados, porque ficamos de 22h30 (chegamos uma hora antes) até 4h30 na rua e NÃO MORREMOS! Não fiquei nem ⅕ de como fiquei da última vez que fui dormir de madrugada ou que passei mais de 4 horas na rua.
 É claro que o corpo reclamou, mas todas as horas em que sentia a alma querendo sair do corpo, eu me sentava rs. Quando não conseguia sustentar meu corpo na vertical, também sentava (minhas articulações ainda estão com dificuldade de sustentar o corpo, preciso de músculos que não tenho. Sinto falta de um exoesqueleto, mas desconfio que o Davison não teria casado comigo se eu tivesse nascido com um rs). 
Mas valeu a pena. Deus falou conosco exatamente o que Ele já vinha conversando no decorrer da semana anterior, e mais. Quando a gente busca a Deus, Ele vai dando “spoiler” do que vai falar na igreja rs. Não que tenha sido repetitivo ou algo assim, pelo contrário, é como se Ele tivesse nos preparado para o que iria dizer. Desde a necessidade de recuperar a simplicidade e a pureza da fé do início, versículos que li com meu marido nos dias anteriores, até o trabalho da igreja Universal na África, sobre o qual lemos ontem mesmo no livro “Cristãos sob ataque” (que comprei na sexta, é o texto do antigo “Crentes Possessos”, depois escrevo especificamente sobre ele, mas vale a leitura!). Resumindo: valeu MUITO a pena termos passado a madrugada acordados. Consegui o que fui buscar, sem dúvida alguma. Valeu a dor, o cansaço e passei bem melhor do que imaginava, tanto durante a vigília quanto hoje. A gente saiu da vigília já querendo outra. E amanhã (domingo) irei à igreja mais uma vez. Isso é incrível, pessoal, eu conseguir sair de casa dois dias depois de ter ido dormir às cinco da manhã!!! 
Deus existe, pessoal. Ele existe e Se agrada de quando a gente faz as coisas para Ele e por Ele, independentemente do que parece ser o mais “prudente” humanamente falando. Já percebi que o certo mesmo é mandar a prudência catar coquinho e fazer as coisas doidas da fé. A gente tem de saber diferenciar o que é prudência e o que é medo disfarçado. A minha fé do início, pura e simples, e a que Deus me disse para resgatar, não tinha esse medo (prudência fake). Queria agradar a Deus, buscava saber a vontade dEle e seguia em frente, obedecendo, custasse o que custasse. Anota aí: se o medo quiser que você faça — ou deixe de fazer — algo, faça o contrário.
.
.
PS1: Sei que tem gente que acha esquisito pessoas que sentam enquanto todo mundo está em pé, porque a maioria se concentra melhor em pé (por razões que me são ainda incompreensíveis). No meu caso, se fico em pé, primeiro perco o equilíbrio (especialmente se estiver de olhos fechados), podendo capotar no coleguinha do banco ao lado, o que certamente atrapalharia a concentração de todo mundo. Depois, as coisas começam a doer: pernas, braços, costas, quadris, joelhos, etc. etc.  Além disso, o coração dispara (chama-se taquicardia ortostática) e começo a ficar cansada como se subisse uma montanha. Não tem como prestar atenção a nada assim. Portanto, apesar de eu já ter ouvido falar que tem gente que acha esquisito, acredito sinceramente que as pessoas de Deus estão prestando atenção à reunião, ou orando de olhos fechados e têm mais o que fazer do que ficar reparando no que os outros ao redor estão fazendo. 
PS2: Tem gente acompanhando o blog! 😀 Fiquei surpresa e feliz em saber. Obrigada pela companhia e comentários, sejam bem-vindos e vamos em frente, juntos!
#JejumdeDanielDia6
.
Estamos em uma jornada de 21 dias de jejum de informações e entretenimento chamado Jejum de Daniel. Durante esses dias, os posts no blog serão voltados exclusivamente para o crescimento espiritual. Leia este post para entender melhor.
** Para quem não acompanhou ou para quem gostaria de rever os posts das edições anteriores do Jejum de Daniel neste blog, segue o link da categoria: http://lampertop.com.br/?cat=709 .

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Sobre ir à vigília sem poder ir à vigília

Não sei se tem alguém acompanhando, mas vou aproveitar o blog para fazer algumas anotações sobre este Jejum de Daniel. Hoje tem vigília no Templo de Salomão, a partir das 23h30. Vigília é sacrifício, você fica sem dormir, é naturalmente cansativo. No entanto, o meu caso é diferente. 23h30 é hora em que eu já deveria estar dormindo. Ainda estou bem doente (apesar da minha linda cara de pessoa saudável, o sistema nervoso autônomo, que normalmente está dividido entre simpático e parassimpático, no meu caso parece estar dividido entre apático e antipático). 
Vigília é sacrifício. Por causa da disfunção autonômica (POTS) eu não posso fazer várias coisas que prejudicam minha recuperação. Não posso acordar tarde, não posso dormir tarde, não posso dormir demais, não posso tomar pouca água, não posso ficar sedentária, não posso comer determinados alimentos, não posso ficar sem usar meias elásticas, não posso ficar acordada depois das 23h. Fico mal no dia seguinte e no outro e no outro.
Foi-se o tempo em que virava a madrugada na internet (tia Vanessa é do tempo da internet discada, que custava o preço de uma ligação de 0h às 5h59 e uma ligação por minuto a partir das 6h) sem sequelas, ou que passava da meia-noite trabalhando (bons tempos aqueles, agora não consigo trabalhar nem de dia). Diante disso, a ideia de ir à vigília hoje à noite era impossível. Não quero soar dramática, mas a sensação que eu tinha era de que ficar acordada a noite toda em minha condição atual me levaria à morte. Então, meu primeiro pensamento ao saber da vigília foi “que pena que eu não posso ir!”. Meu segundo pensamento foi a conversa que se segue:
Por que não posso ir?
Porque se dormir tarde vou piorar.
E dormir cedo tem me feito melhorar?
Não.
Para que serve a vigília?
Para me aproximar de Deus, agradar ao Espírito Santo e renová-Lo em mim.
O que de pior pode me acontecer se eu for?
Morrer.
E o que acontece se eu morrer?
Vou para o céu. 
Então, se eu for à vigília e não morrer, vou me aproximar de Deus. Se eu for à vigília e morrer, vou me aproximar de Deus mais ainda, porque vou para o céu (imagina morrer no Templo, que legal! – Legal para mim, talvez os levitas que tenham que recolher o corpo não achem tão legal assim). Não havia nenhuma razão lógica ou ilógica para ficar em casa. Se dormir cedo fosse garantia de que o dia seguinte seria maravilhoso e sem problemas disautonômicos, alguém até poderia argumentar a favor de dormir. Porém, foram tantas as vezes em que fui dormir cedo e acordei no dia seguinte como se tivesse passado por um moedor de carne que não valia a pena abrir mão da oportunidade de me aproximar de Deus para ficar em casa por medo de piorar. E foi dessa forma que eu decidi ir à vigília hoje, para o terror do meu marido, que achou que eu tivesse enlouquecido de vez. Mas me apoiou e preferiu não contrariar rs. 
Acho que o que precisa ficar bem claro sempre dentro da nossa cabeça é que o espiritual é o real. Realidade não é isso que vemos com os olhos físicos, sentimos com nosso corpo ou ouvimos com os ouvidos. Realidade é o que não conseguimos ver. Deus tem que ser prioridade, mas às vezes a gente coloca como prioridade aquilo que está vendo ou sentindo, como se aquilo fosse mais real que o espiritual só por a gente conseguir ver. 
Fé racional não é baseada no racionalismo humano, mas na lógica da Palavra de Deus. A Palavra que diz que Deus existe e que recompensa aqueles que O buscam. A Palavra que nos faz entender que Deus não fica devendo nada para ninguém. Eu posso perfeitamente contrariar a lógica humana para agir conforme a Palavra de Deus. Ele diz que se eu O buscar de todo o coração, Ele será achado por mim e mudará a minha sorte. Se Ele diz que será assim, é porque será assim. É desta forma que a Palavra que sai da boca de Deus deve ser lida e considerada. Se Deus existe, a Palavra dEle é verdade. Simples, bem simples.
Hoje não vou até lá buscar cura. Eu vou até lá buscar Deus. 
Amanhã te digo se eu morri. 😀
.
#JejumdeDaniel
.
Estamos em uma jornada de 21 dias de jejum de informações e entretenimento chamado Jejum de Daniel. Durante esses dias, os posts no blog serão voltados exclusivamente para o crescimento espiritual. Leia este post para entender melhor.
** Para quem não acompanhou ou para quem gostaria de rever os posts das edições anteriores do Jejum de Daniel neste blog, segue o link da categoria: http://lampertop.com.br/?cat=709 .

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Sobre a pré-venda do filme Nada a Perder 2 e as vítimas de Fake News

*Fotos do dia em que compramos os ingressos. Legendas das fotos no final do post

Não conseguimos fazer a compra dos ingressos nos totens do cinema porque eles não estavam nos entendendo, mas fomos muito bem atendidos por um funcionário que nos vendeu os ingressos no balcão. Achei que não encontraria mais ingressos porque as salas normais estão lotadas, mas a VIP está praticamente vazia (custa um rim, mas vale a pena. Ou melhor, meio rim, porque a gente paga meia).  Ano passado fomos a este mesmo cinema e também não estava lotado na pré-venda. Cadê a narrativa tosca da mídia? Cadê que coleguinha foi lá conferir se os lugares da pré-venda estavam disponíveis no dia da estreia? 

Uma funcionária sem noção tentou iniciar um comentário depreciativo contra o Bp Macedo com o rapaz que nos atendia, na nossa frente, mas foi solenemente ignorada por ele, que foi realmente muito educado conosco. Infelizmente, a gente já está acostumado a ouvir comentários de quem acha que sabe alguma coisa só pelo que ouviu falar. E nem sabe que não sabe de nada. Essas são as vítimas das Fake News que são espalhadas na mídia há trinta anos, repetindo uma mentira tantas vezes até que ela comece a soar como verdade. Pelo que vi no trailer e no livro, o filme vai falar sobre isso, sobre como começaram essas distorções pela velha mídia.
Você tem noção do que são TRINTA ANOS de interpretações distorcidas sendo marteladas na cabeça das pessoas para moldar o modo de elas enxergarem alguém? É por isso que a moça que, provavelmente, tem menos idade do que isso e nunca me viu na vida se sentiu no direito de expor uma opinião não solicitada sobre alguém que ela não conhece — e sequer se deu conta do tamanho da estupidez que estava cometendo.
Não culpo essas pessoas (hum…talvez só um pouquinho, porque todo mundo tem direito de escolher o que vai falar ou deixar de falar), elas confiam em fontes de informação que deveriam se limitar a passar informações verificadas, de verdade, e não interpretações e subjetividades tiradas do além e travestidas de informações verificadas. O maior problema está realmente nas intenções e —sobretudo — na falta de responsabilidade e de método de quem faz o trabalho de coletar os dados e transmiti-los ao público.
Este tem sido um problema gravíssimo dos dias atuais. As piores fake news nem são as mentiras simples, mas sim aquelas que se utilizam de parte da verdade para distorcer e interpretar da pior forma possível. Elas têm cara de verdade, têm jeito de verdade, mas uma meia verdade é uma mentira inteira. Elas estão por todos os lados e, principalmente, sendo geradas por aqueles que deveriam combatê-las (e, muitas vezes, dizem combater). Isso só mostra o quanto esta produção é atual e necessária. Só se combate a mentira (mesmo mentira velha) com a verdade.
.
PS. A ideia era o Davison tirar fotos minhas com os ingressos, como fizemos ano passado, mas saí de lá tão exausta que não tinha condições de posar para fotos. Será que dá para colocar esse post no Instagram hoje com essas fotos?

PS2.  Cinépolis do shopping JK até agora é a única sala VIP com esse filme em São Paulo (digo “até agora” porque da outra vez ele entrou no Lar Center depois da primeira semana – e a gente assistiu de novo 😜). 

PS3. Dou preferência para sala VIP porque disautonomia + Síndrome de Ehlers-Danlos + lesões no quadril, lombar e cervical + poltrona normal (que não deita) por duas horas = dor. Tento evitar. 

PS4. Por falar em fake news, está aberta a temporada de jornalista com um amendoim no lugar do cérebro irritar a Vanessa com matérias burras baseadas em Fake News de 2015 e falsa causalidade a fim de tentar desmerecer o filme, mas que, no final das contas, só faz propaganda de graça. 👍🏻 (Para quem não leu o artigo do ano passado sobre o festival da Fake News pós-estreia do Nada a Perder 1, Clique aqui para ler no R7.)

* [Fotos do dia em que compramos os ingressos para o Nada a Perder 2, que estreia quinta-feira dia 15 (que, no caso, é amanhã). Imagens que mostram minha total inabilidade de me tornar uma criatura interessante no Instagram rs. Foto 1: cartaz do filme no Totem, mas com a sombra de um dedo na frente, porque uso uma luvinha esquisita para segurar o celular e às vezes me esqueço desse detalhe. (E porque não sei onde ficam as partes do meu corpo e elas têm vida própria.) Foto 2: A ideia era tirar uma foto minha com a tela da compra e o cartaz do filme enquanto o Sr. Lampert concluía a transação. Mas fiquei com cara de louca. Foto 3: No esforço de manter os olhos menos arregalados (para evitar a cara de louca), me esqueci completamente de enquadrar a tela. Foto 4: Virei para pegar melhor a tela, mas não apareceu o cartaz do filme. Aí a gente junta todas as fotos e faz uma montagem conceitual hahaha… vale só a ideia que a montagem representa. 😀 ]

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Sobre a sua verdadeira identidade

A sociedade tenta convencer as pessoas de que a identidade delas tem a ver com alguma característica física ou com algo deste mundo físico: cor da pele, etnia, peso, gênero, textura dos cabelos… Assim, tenta encaixar cada um em grupos rotulados, de acordo com características externas, prometendo uma sensação de pertencimento que nunca virá.
Muitos percebem a verdade quando ficam idosos e o corpo passa a não cooperar. Estou vivendo uma amostra grátis disso. Luto contra a disautonomia, uma espécie de “mau contato” nas funções automáticas do organismo, causada por um defeito genético. Desde que o problema se agravou, habito um corpo que não me obedece.
Nunca ficou tão claro para mim que eu não sou um corpo. Às vezes meu corpo está exausto, sem energia, a pressão muito baixa, e eu, lá dentro do corpo, tenho um milhão de planos e quero fazer um milhão de coisas, mas não consigo, porque ele não obedece. Outras vezes, tenho que parar o que estou fazendo porque os músculos do meu corpo estão fracos e as articulações, sobrecarregadas, doem. Mas, por mim, ficaria horas naquela atividade.
Eu quero comer, mas meu corpo nem sempre digere, eu quero ficar em pé por muito tempo, mas meu corpo nem sempre consegue fazer o sangue chegar à cabeça nessa posição. Quero andar mais, mas meu corpo acha que está escalando uma montanha e fica extremamente cansado com pouca coisa. Quero passar uma tarde no parque, mas meu corpo não regula a temperatura e passa mal no calor.
Quando alguém me pergunta como estou, minha vontade é responder que estou bem, porque, de fato, EU estou bem. Quem ainda não está bem é meu corpo. É impressionante o quão nítida é essa diferença hoje e o quão clara é esta verdade:
eu não sou meu corpo. 

Eu não sou visível. Não sei qual é a minha forma, não conheço minha real aparência. Não sou branca, não sou negra, não sou parda, vermelha, amarela ou azul. Não sou gorda, não sou magra, não sou alta nem baixa. Não tenho nenhum problema genético. Não tenho doença, não tenho deficiência. O que meu corpo tem não me afeta. Cuido dele, sei que vai ficar bem, mas cuido, principalmente, de mim.
Eu, que estou dentro deste corpo que às vezes parece tão mais pesado do que realmente é. Eu, que preciso dizer para o meu cérebro o que ele deve fazer ou pensar. Eu, que escolho pensar no que é bom e rejeitar o que faz mal. Eu, que cuido deste corpo que tantas vezes não coopera, que vou além do limite dele para chegar ao mínimo aceitável. Eu, que não reflito no espelho, que não pertenço a este mundo, que uso os braços deste corpo, que sinto as dores deste corpo e assim conheço as dores de outros corpos. Corpos que guardam outras pessoas, que nem sabem quem são. Acham que são seus corpos, porque nunca tiveram que lutar contra eles. Vivem, iludidas, a vida dos corpos. E não sabem por que nunca se completam. Porque não são seus corpos.
Eu não sou visível. Não conheço minha aparência. Minha identidade não é cor, não é gênero, não é local de nascimento ou massa corporal. Minha identidade são as escolhas que faço. Não sei como eu me movo, só sei dirigir um corpo que mal responde. Aprendo a dirigir. Não importa os defeitos que ele tem, estou feliz por ter este corpo. Ainda que pesado, ainda que difícil, ainda que rebelde. Pelo tempo que estiver dentro dele, vou fazer o máximo, com todas as minhas forças, para levar a outras pessoas a consciência de que elas não são corpos. Essa consciência tinha quem escreveu:
“Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.” (2 Coríntios 4.16)
E completou: “Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” (2 Coríntios 4.18)
É uma sabedoria que o mundo de hoje desconhece — ou finge não conhecer.